Tecnologia editorial impulsiona jornais regionais



Sistema integra versões impressa e digital e atrai anunciantes

Jornais regionais como o Costa Norte, de Bertioga, buscam triplicar o faturamento comercial
Por Gustavo Gonçalves

Os jornais regionais também enfrentam o desafio de sobreviver numa época em que os leitores querem atualizações a todo instante, e na tela do celular. Mas ao contrário dos gigantes do mercado editorial, levam uma grande vantagem na relação com seus consumidores: enquanto as publicações nacionais brigam entre si pela atenção do público e competem até com as redes sociais, os jornais regionais têm a exclusividade dos nichos de notícias, falam da sua cidade e do seu bairro, e é só lá que os moradores encontram as informações que precisam.

Por isso, muitas empresas jornalísticas têm apostado em tecnologia para garantir a fidelidade dos leitores e aumentar seus canais de distribuição para além do papel, criando portais, aplicativos e edições digitais. Um bom exemplo é o Costa Norte, semanário com sede em Bertioga, no litoral paulista, e circulação em 11 cidades. A empresa começou a implantar neste mês o sistema Elite CS, da Mundiware, que une todas as plataformas e cria facilidades para a venda e publicação de anúncios.


COSTA NORTE


O jornal Costa Norte pode se orgulhar de ter nascido para contribuir com uma causa defendida pela grande maioria da população do então distrito de Bertioga, que fazia parte da cidade de Santos. O semanário foi criado para apoiar e divulgar o movimento, que culminou com a emancipação e criação do município de Bertioga, em 1991.

De lá para cá, a publicação se consolidou como uma força da imprensa regional e estendeu seu alcance para outros municípios. Hoje, suas 11 mil cópias semanais são distribuídas gratuitamente em 800 bancas de jornais e pontos comerciais. E o portal na internet é acessado diariamente por 4 mil pessoas.


TECNOLOGIA EDITORIAL


Vinícius Berlofi Zeidan é diretor administrativo do Costa Norte e explica os motivos que levaram a empresa a contratar o sistema Elite CS, da Mundiware: “tomamos a decisão de ampliar nosso investimento em tecnologia para ficarmos ainda mais próximos de nossos leitores, ampliando a oferta de notícias e melhorando o acesso a todo conteúdo que produzimos. E o Elite CS foi escolhido por ter a interface mais amigável, facilitando todos os processos, e permitir uma integração imediata entre as versões impressa e digital e as mídias sociais”.

O Elite CS une a produção de materiais para todos os canais de um jornal ou revista. O repórter e o fotógrafo, da rua, sobem textos e imagens no sistema e tudo já é visto na redação. Quando o editor vai publicar, o sistema adapta o conteúdo para cada plataforma. Pode, por exemplo, separar uma imagem para o Instagram e outra para o Facebook. Um resumo de texto para as redes sociais e a reportagem completa para o portal. Em um minuto, tudo vai ao ar e fica acessível para o leitor no canal que ele preferir, e no formato certo.

Para Emmanuel Ferreira, diretor da empresa desenvolvedora do Elite CS, a Mundiware, “os jornais regionais só têm a ganhar com tecnologia de ponta, cujos custos ficaram muito acessíveis nos últimos anos. E com o acréscimo de um outro software, o Classic, a implantação acaba se pagando”.


3 VEZES MAIS FATURAMENTO


O Costa Norte também vai usar o Classic, um software que integra a venda e o abastecimento de anúncios para a versão impressa e o portal. O sistema facilita a comercialização para agências de publicidade e empresas, e também permite que os leitores possam acessar o portal e postar classificados.

“Temos uma meta bastante ousada, mas perfeitamente possível diante dos testes que estamos fazendo. Com o Classic, em 6 meses, queremos triplicar o nosso faturamento comercial”, garante o diretor administrativo do jornal, Vinícius Berlofi Zeidan.

O Classic também vai permitir a criação de um subproduto que se espera lucrativo: um guia turístico da região. A busca por avanços tecnológicos do Costa Norte é um exemplo do que os jornais regionais podem fazer para se fortalecer e garantir a sobrevivência num mercado tão competitivo.




Mais notícias